maiores goleadores

Os 10 Maiores Goleadores da História do Futebol

Quais são os maiores goleadores da História do Futebol? Tentamos verificar o histórico de cada jogador para perceber o top 10 dos que marcaram mais golos.

Estamos constantemente a seguir notícias acerca de uma das maiores rivalidades dos nossos tempos: Lionel Messi vs. Cristiano Ronaldo. A imprensa bombardeia-nos constantemente com notícias sobre as vitórias de um e a derrotas de outro, mantendo viva esta disputa renhida que acontece fora de campo. Um dos detalhes que tanto os adeptos de um jogador como de outro mantêm em mente é o número de golos que cada um marcou.

Hoje, decidimos escrever um post sobre os maiores goleadores da história do futebol – lista na qual figuram, obviamente, os nomes de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi – mas que conta também com nomes mais grandiosos ainda, alguns deles totalmente esquecidos pelos adeptos de futebol, mas que não merecem de forma alguma cair no esquecimento.

Sabia, por exemplo, que o jogador a marcar mais golos até hoje contabilizou um total de 805 golos? Esta e outras histórias esperam por si nos próximos parágrafos.

Os 10 maiores goleadores da história do futebol

Josef Bican (1928-1954) 805 golos

O nome de Josef Bican tornou-se numa lenda no mundo futebolístico. Ainda que o jogador seja sem sombra de dúvidas o maior jogador de futebol até à data, é comum que o seu nome caia no esquecimento. A sua carreira, que remonta ao período entre 1928 e 1954, passou essencialmente por equipas da República Checa. O recorde de 805 golos que estabeleceu – sem contar com os golos feitos em partidas amigáveis – advém do seu talento para jogar com os dois pés e pela sua capacidade de correr 100 metros em 10,8 segundos, uma velocidade extraordinária. A International Federation of Football History & Statistics atribuiu-lhe a Bola de Ouro por ser o maior marcador do último século.

Romário (1985-2009) 761 golos

O brasileiro Romário, que é hoje conhecido quer pela sua carreira futebolística, quer pela sua carreira política, é o segundo nome a figurar nesta lista, tendo marcado 761 golos ao longo da sua carreira. Mantendo-se em actividade entre 1985 e 2009, o futebolista manteve-se posições como atacante em campo e ficará gravado na história como um dos maiores jogadores de todos os tempos. A sua carreira passou por alguns dos maiores clubes de futebol brasileiro, nomeadamente o Flamengo, Fluminense e America, tendo inclusive feito parte da selecção nacional brasileira.

Pelé (1956-1977) 757 golos

Considerado o maior futebolista da história, Pelé viu o seu recorde de golos ser suplantado por Romário por poucas marcações. Com um total de 757 golos, Pelé fez a sua carreira enquanto meio-atacante e surpreendeu o mundo com a destreza de pés e a sua velocidade. O clube brasileiro Santos irá manter na sua história os 1091 golos – contando aqui os golos em partidas amigáveis – que Pelé deu ao clube, tal como o clube New York Cosmos o fará (64 golos marcados para a equipa). Hoje, Pelé continua a ser visto como um herói nacional e foi eleito como Jogador de Futebol do Século XX pela FIFA em 2000.

Ferenc Puskás (1943-1966) 709 golos

Não é de admirar que Ferenc Puskás seja considerado o maior futebolista da história do futebol húngaro: a sua fama passa essencialmente pelo sucesso que fez no clube húngaro Honvéd, onde goleou mais de 350 vezes e o Real Madrid, equipa onde se manteve entre 1958 até se reformar em 1966, e para a qual marcou 156 vezes. Mas mesmo depois de deixar o campo como jogador, Puskás manteve-se ligado a este mundo, treinando equipas e a própria selecção nacional da Hungria. Para a história ficará excepcionalidade dos seus golos que levaram a FIFA a criar, em 2009, o Prémio Ferenc Puskás que é  atribuído ao golo mais bonito do ano.

Gerd Muller (1962-1983) 680 golos

Também na Alemanha se faz bom futebol e bons futebolistas: Gerd Muller é quem se segue na lista, tendo marcado 680 golos ao longo da sua carreira. Com um estilo que se demarcava pela rapidez em campo e o seu carácter explosivo, Gerd Muller passou por clubes como o alemão Bayern de Munique e o norte-americano Fort Lauderdale Strikers, clubes que contam ambos com um longo histórico de golos feitos pelo jogador. No que diz respeito à selecção nacional alemã – que integrou a partir de 1966 e até 1974 – é recordado ainda como o maior atacante da história do país.

Eusébio (1962-1983) 622 golos

O destemido Pantera Negra entrou para os anais da história e aí ficará para sempre, imortalizado como um dos mais importantes jogadores de futebol a passar pelo Benfica Sport Lisboa e a selecção nacional portuguesa. Com 622 golos no currículo, a carreira de Eusébio passou por inúmeros clubes portugueses e internacionais. Para além do Benfica, onde jogou durante 17 anos (entre 1960 e 1975) passou pelo Beira-Mar e pela União de Tomar, terminando a carreira na norte-americana Buffalo Stallions. Mas os seus feitos na Selecção Nacional – para a qual marcou 41 golos – fazem de Eusébio um herói nacional.

Cristiano Ronaldo (2002-Actualidade) 584 golos

Começamos este artigo por referir a disputa icónica entre Cristiano Ronaldo e Lionel Messi e é sobre isso mesmo que falamos agora mesmo. Os dois jogadores – que são os únicos desta lista que se mantém no ativo – têm valores muito próximos um do outro, ainda que o português fosse alguns golos à frente de Messi no momento em que escrevemos este artigo. Jogando como extremo-esquerdo, ponta de lança e médio esquerdo no Real Madrid e na Selecção Portuguesa, Ronaldo acumula já 584 golos. Com uma carreira iniciada no Sporting CP, o jogador passou pelo Manchester United mas tem goleado pelo Real Madrid desde 2009. Com alguns anos de carreira pela frente, Cristiano Ronaldo promete continuar a dar mais do que o seu melhor. Em 2008, 2013, 2014 e 2016 ganhou a Bola de Ouro, consagrando-se como o melhor do mundo.

Lionel Messi (2004-Actualidade) 554 golos

Com menos dois anos de carreira que Cristiano Ronaldo, Lionel Messi fez um formidável trabalho em aproximar o seu número de golos dos de Ronaldo: no momento em que o post foi escrito apenas 30 golos separavam Messi de Ronaldo. O futebolista argentina, que joga como atacante, ponta-direita ou meia ofensivo, veste a camisola do Barcelona desde 2004. Entretanto, mantém também a sua posição na selecção nacional da Argentina desde 2005.  Para já, o único diferencial a favor de Messi face a Ronaldo é a quinta bola de ouro que conta em casa.

Uwe Seeler (1954-1978) 568 golos

O alemão Uwe Seeler é quem se posiciona na nona posição do ranking. Considerado um dos maiores atacantes da sua geração e um dos ídolos do futebol alemão, Uwe Seeler fez a sua carreira no clube de Hamburgo, onde se manteve durante quase vinte anos, até finalmente se reformar. Só para o clube marcou 444 golos. A este número somam-se ainda os 43 golos que fez pela selecção nacional da Alemanha Ocidental, para a qual jogou entre 1954 e 1970.

Ernest Wilimowski (1934-1955) 554 golos

A lista encerra com Ernest Wilimowski e não podia encerrar de melhor forma. O jogador, com dupla nacionalidade alemã e polaca, foi um nome sonante no futebol, especialmente durante a época da Alemanha Nazi. Com uma carreira iniciada na equipa polaca Kattowitz – constituída por jogadores alemães – o jogador não tardou at integrar equipas maiores, passando entre 1939 e 1944 pelas equipas alemãs Polizei-Sportverein Chemnitz e Munique 1860. Quando a Polónia foi ocupada por forças nazi, Wilimowski pode continuar jogando devido a sua origem alemã, ao contrário do que se sucedeu com muitos polacos. Na verdade, mais do que ter autorização, Wilimowski chegou mesmo a ser convocado para jogar pela selecção nacional alemã.

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *